quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Amélia Vieira


A poeta Amélia Vieira, de cuja pena brota poesia e, por vezes, visões do futuro, desabafou assim na sua página do facebook:


As pessoas ainda não entenderam que há uma força de liquidação no "ar" e que isso foi feito com o mesmo propósito dos genocídios históricos. Acabar com os excedentes humanos que em moldes económicos não dão rentabilidade. A técnica obedece à velha frase romana " os Deuses enlouquecem antes os que querem perder". O Diabo é muito frio e nada tem de louco. As pessoas seguem-no cegamente. Numa primeira fase é bem divertido. Mas tem um preço. E não é porque devamos algo a alguém, isso é o pretexto, mas, sim, porque deixámos de ser úteis. Ah! Os princípios humanos, o amor, a solidariedade, a fé na luz que vença as Trevas... Não fomos nós os primeiros a abandonar tudo isto na grande batalha do Ego, da individualidade, da usura, da facilidade? Ora recordem-se?! Também não acreditamos em Deus. Pois bem, ele governa de forma gloriosa. E o propósito é liquidar um terço de nós todos. O que está a acontecer. Sem armas. Acho que se enoja com o cheiro do nosso sangue. Afinal é um Príncipe!! ( é como o Titanic o que estamos assistir, há uns que resolveram tocar os últimos acórdãos sentados, outros que se agarram pensando que se vão salvar, outros ainda que escorregam pela orla da embarcação, outros que se aglomeram para que haja ao longe um sinal... mas as forças da física são inabaláveis. Só uma quantidade ínfima desta humanidade tem alma, são os que se vão nos botes). Outra virá. A nossa salvo raras excepções não prestou para nada.




7 comentários:

Joaquim Simões disse...

Nos tempos em que acontecia o que está acontecendo agora/e os homens pasmavam de isso ainda acontecer no tempo deles/parecia-lhes a vida podre e reles/e suspiravam por viver agora.

A suspirar e a protestar morreram./E hoje, quando se abrem as covas,/vemos os dedos com que rangeram/tão brancos, como se as dentaduras fossem novas.

António Gedeão (citado de memória)

Abraço.

Joaquim Simões disse...

"vemos os dentes com que rangeram", é claro, não "os dedos".
A senilidade é uma coisa muito triste...! :oD

alf disse...

Bela memória! para mim, decorar o hino nacional já foi uma proeza.

Pois é, a nossa sociedade não flui, anda aos solavancos, às apalpadelas... é por isso que estamos sempre a mergulhar em crises e a queixarmo-nos...

Antonio Carvalho disse...

Gostaria muito de contactar com poeta Amélia Vieira no facebook.
Fiquei impressionado com este seu texto! Parabéns

Manuel Graça disse...

Alf:

"Pois é, a nossa sociedade não flui,"

Pois não. Está presa ao estado centralizador, regulamentador, anquilosante.

Uma sociedade só flui se o fluido estiver no estado líquido ou gasoso. No estado sólido, empedernido, enformado, não flui nem um milímetro.

Sociedade só é sociedade se cada molécula se pude movimentar livremente em relação às restantes. Quando cada molécula está ao serviço do todo, não há decisão autónoma, individual, apenas há gente parada, sentada, esperando .. esperando .. esperando ...

Enquanto a sociedade não fluir, é um monólito.

alf disse...

Manuel Graça

Muito certo o que diz,excepto num detalhe: o que impede as moléculas de fluir é a existência de um poder centralizador sim, não é o facto de "cada molécula estar ao serviço do todo"

Durante a idade média ou os últimos milénios de história na Índia e China, a estagnação foi total e não foi porque as moléculas estivessem ao serviço do todo - foi porque se estabeleceu um poder dominante.

O papel que se quer do Estado é que estabeleça os procedimentos que impeçam esse poder dominante.

Um caminho para o poder dominante se estabelecer é começar por defender uma sociedade "liberal", ou seja, sem regras que o coartem, para depois poder conquistar esse poder; outro é sequestrando o estado e usando o seu poder.

Com existe sempre gente a querer o poder dominante, só com pessoas que sejam "cidadãos" e não "súbditos" se consegue combater esse fenómeno e manter as moléculas em movimento.

Antonio Carvalho disse...

Eu sei que a Amélia Vieira era minha amiga no facebook. Entretanto deixou de o ser, por motivos que só ela pode explicar. Mas eu sei o porquê. Foi deselegante comigo em questões que só a mim dizem respeito. Gostaria muito que me desse explicações sobre tão grande deselegância. Obrigado